PUBLICIDADE

Região / Esporte

Morre Carlos Argento, um dos Twins, pioneiros em surf shop no Brasil

Da Redação

O surf da região está de luto. Morreu Carlos Argento, o Carlinhos Twin, um dos pioneiros na fabricação de pranchas para os amantes das ondas. Ao lado do irmão gêmeo Dudu, morto em 2013, ele ficou na história como dono da primeira surf store da Baixada Santista, a Twin. - REVISTA MAIS SANTOS

Carlinhos Twin tratava de um câncer há alguns anos. Não há informações sobre velório ou sepultamento. “Perdemos um companheiro de surf, que nos impulsionou a sermos da praia. Mas a vida não existe, sem a morte do corpo e a eternização da memória”, diz Diniz Iozzi, o Pardhal, ex-presidente da Associação Santos de Surf.

“Falar do Carlinhos é falar com orgulho. Nos anos 1970, meu irmão Almir queria aprender a fazer prancha. E a gente frequentava a loja da Twin. Eles (Carlinhos e Dudu) o convidaram e o Almir começou a fabricar as próprias pranchas. Além disso, em 1972, a gente teve o primeiro patrocínio de uma surf shop, e foi por dez anos. Foram os primeiros patrocinadores da família Salazar. Fizeram e fazem parte da história do surf, e da história da nossa família”, lembra o multicampeão Picuruta Salazar.

Históricos

A Twin surgiu com os irmãos Carlos e Eduardo, o Dudu, Argento, sendo o “embrião” da indústria do surf no País. Os dois se apaixonaram pelo surf depois de ver o filme “Mar Raivoso”, no cinema, em 1964, em Santos. O filme (Ride the Wild Surf) apresenta um grupo de jovens universitários americanos de férias no Havaí, curtindo rock, praias paradisíacas, ondas e garotas.

 - REVISTA MAIS SANTOS

Uma “magia” que encantou os irmãos, que a partir dali, decidiram construir uma prancha de madeirite, o material usado na época, iniciando a cultura do surf. O equipamento fez sucesso e foi produzido para amigos. Depois, começaram a estampar camisetas com a marca Twin, um passo antes da criação da primeira loja voltada ao esporte das ondas, que se tornou um ‘point’ dos praticantes.

Carlinhos e Dudu foram referência no surf, tamanha a importância de suas trajetórias. Os gêmeos foram apelidados de “Gênios do Itararé”, inovaram, ousaram, viveram o surf na plenitude. Em 18 de novembro de 2013, Dudu faleceu.