PUBLICIDADE

Santos / Cotidiano

Morre Armando Sendin. Artista tem grande acervo na Pinacoteca Benedito Calixto

 - REVISTA MAIS SANTOS

(Crédito: Divulgação)

O consagrado artista plástico Armando Sendin, que tem grande acervo na Pinacoteca Benedito Calixto, em Santos, morreu ontem (29) aos 92 anos na Espanha, devido as consequências de uma pneumonia e de problemas cardíacos.

“Armando Moral Sendin foi sem dúvidas o mais importante pintor contemporâneo Brasileiro, com projeção de suas obras nos mais importantes museus do mundo e nas mais disputadas coleções e galerias. Perde o país uma referência na arte da pintura. Nós, seus amigos, lamentamos profundamente”,  diz Paulo Costa, Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente e Secretário de Cultura adjunto de São Vicente.

Nota de pesar

Em nota, a Diretoria e os Conselhos da Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto e da Associação de Amigos da Pinacoteca fala sobre a importância do artista.

Armando Sendin permanece vivo em Santos, lugar que tanto amou e deixou laços eternos.A Pinacoteca Benedicto Calixto mantém importante acervo de várias fases do artista plástico Armando Sendin, cerca de 138 obras dentre óleos, cerâmicas, livros e objetos pessoais, doados em 2014, para composição do futuro Museu de Arte de Santos, que foi idealizado e projetado exatamente para poder abrigar esse importante acervo, em um andar reservado especialmente para suas obras.

Pinacoteca decreta luto oficial.

Breve histórico

Sendin foi professor da Unisanta. Nasceu no Rio de Janeiro em 1928.  Além das impressionantes telas que produzia, era ceramista e escultor. Dedicou boa parte de sua vida a estudos: cursou a Escola de Belas Artes de Priego na Espanha (por volta de 1940); filosofia na Universidade de São Paulo (1945 a 1949); especialização em estética, com Bogumil Jasinowsky, na Universidade do Chile (1950); e, como bolsista do governo francês, estética na Sorbonne, com mestre Souriau (1950 a 1953).

Entre 1954 e 1964, deu cursos de pintura, cerâmica, escultura e desenho em seu estúdio em São Paulo – onde também realizou sua primeira mostra individual – no Clube dos Artistas em 1960. Em 1965, publicou um livro didático intitulado Cerâmica Artística e, em 1982, recebeu o Prêmio Ribeiro Couto como destaque do ano em Artes Plásticas.

Como ceramista, teve trabalhos destacáveis, dentro os quais está o painel de azulejos da Biquinha de Anchieta, em São Vicente, em colaboração a seu irmão, o também artista Waldemar Sendin. Mas foi como suas telas, entretanto, que teve maior destaque como precursor do realismo impressionista, pós movimento Pop Art. Suas obras se destacam pela precisão fotográfica das figuras, quase sempre associadas a figuras humanas, em uma temática menos fria com um toque bem pessoal.

Aprecie algumas de suas obras: