PUBLICIDADE

Santos / Esporte

Nadador Victor Colonese receber√° medalha de bronze do Pan de Lima 2019 nesta sexta

Da Redação

O Brasil ganhar√° sua segunda medalha importante durante a pandemia. Depois da prata ol√≠mpica de Cl√°udio Roberto em dezembro do ano passado, chegou a vez de Victor Colonese, atleta da Unisanta, receber o sonhado bronze dos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, nos 10km das maratonas aqu√°ticas. A cerim√īnia acontece nesta sexta-feira, 29, ao meio-dia, no consist√≥rio da Universidade Santa Cec√≠lia (Unisanta). O evento ser√° transmitido ao vivo pelo Canal Ol√≠mpico do Brasil (https://www.canalolimpicodobrasil.com.br/).

“Essa medalha tem um gostinho especial principalmente pela import√Ęncia dos Jogos Pan-Americanos, uma das maiores competi√ß√Ķes que a gente tem a n√≠vel internacional, e consegui essa conquista logo na minha primeira participa√ß√£o, igualando o melhor resultado do Brasil nessa prova no masculino”, disse o nadador, que representa a Unisanta h√° 11 anos, relembrando a conquista de Allan do Carmo no Rio 2007.

Colonese herdou a medalha de bronze nos 10km após a desclassificação do argentino Guillermo Bertola, então segundo colocado, que cometeu uma infração nas normas de controle antidopagem da Federação Internacional de Natação (FINA). Com isso, o nadador baiano de 28 anos, que havia terminado em quarto lugar na competição, com o tempo de 1:54.03.6, ganhou uma posição na classificação final.

“√Č uma situa√ß√£o diferente. Vou subir ao p√≥dio sozinho, mas estou feliz porque √© praticamente uma homenagem para mim. N√£o tenho ideia de como ser√°, mas √© uma honra que a cerim√īnia aconte√ßa no clube onde tenho uma bela hist√≥ria”, contou Colonese, que se formou engenheiro de produ√ß√£o pela Unisanta em 2020.

A decis√£o da realoca√ß√£o da medalha foi confirmada no dia 1¬į de julho de 2020, ap√≥s o Comit√™ Ol√≠mpico do Brasil (COB) receber um comunicado oficial da Panam Sports, entidade m√°xima do esporte no continente, anunciando que a suspens√£o de Bertola pela FINA implicava a anula√ß√£o de seus resultados nas temporadas 2018 e 2019.

“A entrega dessa medalha para o Colonese representa o reconhecimento do trabalho duro, da dedica√ß√£o e da persist√™ncia. O COB fica muito satisfeito com o reconhecimento desse atleta que agora coloca seu nome entre os medalhistas de uma competi√ß√£o t√£o relevante para o Brasil como os Jogos Pan-Americanos”, disse Rog√©rio Sampaio, diretor-geral do COB.

Com mais essa conquista, o Brasil passa a ter 169 medalhas na classificação final de Lima 2019: 54 ouros, 45 pratas e 70 bronzes. Foram três pódios nas maratonas aquáticas: além do bronze de Colonese, Ana Marcela Cunha foi campeã da prova feminina e Viviane Jungblut, terceira colocada.

“Essa medalha, que chega num momento de dificuldade e de incertezas para os atletas, vem mostrar que todo trabalho duro tem uma recompensa. N√£o podemos desistir nunca. √Č a coroa√ß√£o do trabalho que venho fazendo durante os √ļltimos anos e me motiva a continuar treinando, evoluindo, e a marcar meu nome na hist√≥ria”, concluiu Colonese.