PUBLICIDADE

Santos / Esporte

Pais de Ana Marcela Cunha dormem pouco e festejam muito ouro da filha nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Da Redação

A conquista do ouro de Ana Marcela Cunha, da Unisanta, na prova de 10 km da maratona aquática nos Jogos Olímpicos de Tóquio não deixou os pais da nadadora multicampeã dormirem. Ana Patrícia e George não puderam ir ao Japão em razão da pandemia Рtinham viagem e hotel reservados Рe acompanharam no Brasil com o coração apertado, mas felizes pela filha no lugar mais alto do pódio.

“Essa √© a parte que a gente n√£o tinha planejado. Impressionante o n√ļmero de mensagens, informa√ß√Ķes e liga√ß√Ķes. Eram 3 horas quando a gente conseguiu ver o v√≠deo da Unisanta com o acompanhamento da prova. E foi mais uma hora sem conseguir dormir. Foi impressionante. Deu para cochilar um pouquinho s√≥ hoje pela manh√£ vendo TV, tentando responder a todos e tentando falar com Ana Marcela. Falamos rapidinho e por mensagem”, contou George, em entrevista coletiva na Unisanta. “Quero encontrar e abra√ßar, mas dormir n√£o. O corpo treme, o cora√ß√£o dispara, a mente come√ßa a funcionar imaginando a chegada. N√£o tem como dormir. Deixa a gente curtir esse momento. Ainda bem que tem as redes sociais para falarmos com ela”, emenda Ana Patr√≠cia, tamb√©m presente.

Por√©m, uma surpresa: a nadadora entrou ao vivo no tel√£o do local da entrevista falando com os pais e deixando sua mensagem. “Voc√™s sabem o quanto tudo foi dif√≠cil, desde sair de Salvador. Em nenhum momento deixei de sonhar. Serei eternamente grata a tudo o que voc√™s (pais, Unisanta e Marcelo Teixeira) fizeram. Que essa medalha seja sempre um s√≠mbolo de vit√≥rias. Valeu muito a pena ir atr√°s do meu sonho. N√£o desistam do de voc√™s. A ficha da medalha ainda est√° caindo um pouco. Logo mais estou chegando a√≠ para fazer uma festa”, afirma.

Para os próximos dias, a Universidade prepara uma recepção para homenageá-la. Ainda mais para uma conquista tão pesada quanto o ouro olímpico.

“A medalha sempre tem um peso, ainda mais a de ouro, mas o caminho que a Ana Marcela fez tornou isso mais leve. Aos poucos foi aprendendo, evoluindo. Tinha muita certeza que ela ia fazer o melhor e que buscaria o ouro. Era o Plano A. O Plano B era prata e o C, o bronze. Era muita expectativa, mas consciente de que foi todo um trabalho muito bem executado. N√£o tinha como errar”, comenta George. “Como ela disse, vamos para Paris 2024 (sede e ano da pr√≥xima Ol√≠mpiada)”, completa Ana Patr√≠cia.

Foto: Divulgação/Unisanta