PUBLICIDADE

Santos / Porto

Empresas ampliam suspensão de cruzeiros marítimos até 4 de fevereiro

Da Redação

A CLIA Brasil (Associa√ß√£o Brasileira de Navios de Cruzeiros) e seus associados tomaram a decis√£o de extens√£o do prazo de suspens√£o volunt√°ria das opera√ß√Ķes nos portos do Brasil, prevista agora at√© o dia 4 de fevereiro de 2022.

De acordo com a entidade, a decis√£o de prorrogar voluntariamente a suspens√£o das opera√ß√Ķes no Brasil contrasta com a evolu√ß√£o positiva nos Estados Unidos, onde as autoridades de sa√ļde reconheceram a efic√°cia dos protocolos da ind√ļstria de cruzeiros e anunciaram a eleva√ß√£o do Conditional Sailing Order (CSO), que ajudou a orientar o retorno do setor √†s opera√ß√Ķes na Am√©rica do Norte. O governo dos EUA confirmou na √ļltima quarta-feira, 12 de janeiro, que a CSO far√° a transi√ß√£o para um programa volunt√°rio em 15 de janeiro.

Os cruzeiros s√£o o √ļnico segmento que exige, antes do embarque para passageiros e tripulantes, n√≠veis extremamente altos de vacina√ß√£o e 100% de testes de cada indiv√≠duo. No Brasil, os protocolos exigem que todos os h√≥spedes estejam com o ciclo vacinal completo, apresentem testes negativos antes do embarque, testagem cont√≠nua a bordo, uso de m√°scaras, distanciamento social e menor ocupa√ß√£o dos navios, entre outros protocolos.

Quando os casos s√£o identificados como resultado da alta frequ√™ncia dos testes a bordo, os protocolos dos navios de cruzeiro ajudam a maximizar a conten√ß√£o com procedimentos de resposta r√°pida projetados para proteger todos os h√≥spedes e tripulantes, bem como as comunidades que os navios visitam. Al√©m disso, os cruzeiros s√£o o √ļnico setor que monitora, coleta e relata continuamente informa√ß√Ķes de casos diretamente aos org√£os governamentais.

Dada essa supervis√£o e a taxa excepcionalmente alta de vacina√ß√£o exigida a bordo, a incid√™ncia de doen√ßas graves √© dramaticamente menor do que em terra, e as hospitaliza√ß√Ķes t√™m sido extraordinariamente raras. Os membros da CLIA continuar√£o a trabalhar em conjunto com as autoridades, sempre guiados pela ci√™ncia e pelo princ√≠pio de colocar as pessoas em primeiro lugar, com medidas comprovadas que s√£o adaptadas conforme os cen√°rios e que garantem a prote√ß√£o da sa√ļde dos passageiros, tripulantes e das comunidades que recebem os cruzeiros.

Movimentação

A temporada atual, que começou em novembro de 2021, tinha previsão de movimentar mais de 360 mil turistas, com impacto de R$ 1,7 bilhão, além da geração de 24 mil empregos, envolvendo uma cadeia extensa de setores da economia, entre eles comércio, alimentação, transportes, hospedagem, serviços turísticos, agenciamento, receptivos e combustíveis, entre muitos outros.

Estima-se, conforme estudo da CLIA Brasil em parceria com a FGV, que cada navio gera em torno de R$ 350 milh√Ķes de impacto para a economia brasileira. A cada 13 cruzeiristas, um emprego √© gerado.

Anvisa

A Anvisa recomendou ao Minist√©rio da Sa√ļde e √† Casa Civil da Presid√™ncia da Rep√ļblica, na tarde desta quarta-feira (12), a suspens√£o definitiva da temporada de navios de cruzeiro no Brasil, como a√ß√£o necess√°ria √† prote√ß√£o da sa√ļde da popula√ß√£o.

O documento encaminhado foi conclu√≠do na ter√ßa-feira (11) e cont√©m a apresenta√ß√£o do cen√°rio epidemiol√≥gico de Covid-19 nas embarca√ß√Ķes de cruzeiro que operam na temporada 2021-2022, incluindo as intercorr√™ncias ocorridas, por embarca√ß√£o, desde o in√≠cio de suas opera√ß√Ķes em territ√≥rio nacional.

Os protocolos definidos pela Ag√™ncia para a opera√ß√£o dos navios de cruzeiro no Brasil trouxeram dispositivos que permitiram acompanhar o cen√°rio epidemiol√≥gico nas embarca√ß√Ķes durante quase dois meses e foram fundamentais para se identificar rapidamente a altera√ß√£o no n√ļmero de casos a bordo na pen√ļltima semana epidemiol√≥gica de 2021.

Em decorrência disso, em 31 de dezembro de 2021, com aumento exponencial de casos especialmente entre tripulantes, a Anvisa recomendou a suspensão temporária de navios de cruzeiro, preventivamente, até que houvesse mais dados disponíveis para avaliação do cenário epidemiológico.

Desde a recomenda√ß√£o de suspens√£o tempor√°ria, a Ag√™ncia vem avaliando a evolu√ß√£o do cen√°rio epidemiol√≥gico do Sars-CoV-2 a bordo dos navios e tamb√©m no Brasil e no mundo. Observa-se que o cen√°rio tem se tornado ainda mais desafiador tendo em vista, em especial, o aumento vertiginoso do n√ļmero de casos nas embarca√ß√Ķes e no pa√≠s.

Portanto, a Anvisa entende que o cen√°rio atual √© desfavor√°vel √† continuidade das opera√ß√Ķes dos navios de cruzeiro. Nesse sentido, com fundamento no princ√≠pio da precau√ß√£o e a partir de todos os dados dispon√≠veis, recomendou a suspens√£o definitiva da temporada de navios de cruzeiro no Brasil, como a√ß√£o necess√°ria √† prote√ß√£o da sa√ļde da popula√ß√£o.