PUBLICIDADE

Santos / Porto

Porto tem √°reas leiloadas e lances superam expectativas

Foto: Alberto Ruy/MInfra

Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarc√≠sio Freitas, comemorou o¬†resultado do leil√£o de tr√™s √°reas nos portos de Santos e Paranagu√°, realizado hoje (13) na B3. ‚ÄúSuperou a expectativa. Foi muito bom porque a gente viu competi√ß√£o em dois terminais.‚ÄĚ, disse ap√≥s o leil√£o desta ter√ßa-feira.

O ministro destacou ainda que uma das √°reas no Porto de Santos e o espa√ßo em Paranagu√° haviam ido a leil√£o no ano passado, mas n√£o atra√≠ram compradores. ‚ÄúIsso √© uma mostra que estamos conseguindo ir na dire√ß√£o certa‚ÄĚ, acrescentou.

A primeira das tr√™s √°reas vendidas, que compreende armaz√©ns para sal e fertilizantes em Santos, atraiu intensa competi√ß√£o entre os tr√™s cons√≥rcios que disputavam o leil√£o. Ap√≥s uma s√©rie de v√°rios lances em viva voz, o lote foi vendido para a Hidrovias do Brasil por R$ 112,5 milh√Ķes. A oferta inicial da empresa era de R$ 65 milh√Ķes, mas teve que ser ampliada para competir com as propostas das concorrentes.

Nas duas outras √°reas, uma no Porto de Santos e outra em Paranagu√°, a disputa foi menor. No espa√ßo para transporte de l√≠quidos, como produtos qu√≠micos, etanol e derivados de petr√≥leo, a Aba Infraestrutura acabou vencendo com um lance de R$ 35 milh√Ķes. A outra concorrente, a Empresa Brasileira de Terminais, teve a oferta desclassificada por ter diversos outros ativos na mesma parte do porto. Sendo assim, a oferta da Aba foi a √ļnica considerada v√°lida.

Privatização do Porto de Santos

Planejada pelo governo, o ministro disse que os modelos v√£o come√ßar a ser testados no Esp√≠rito Santo. ‚ÄúA privatiza√ß√£o de Santos, a gente ainda n√£o conhece o modelo, vamos estudar o modelo. A gente j√° iniciou o estudo da privatiza√ß√£o da Companhia Docas do Esp√≠rito Santo. Estamos fazendo isso com o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econ√īmico e Social]‚ÄĚ, explicou.

O presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Casemiro Tércio Carvalho, disse que a empresa está se preparando para receber o capital privado. Para isso, está sendo feito um levantamento das dívidas da empresa e as áreas responsáveis por honrar o montante. Segundo ele, os maiores valores dizem respeito a dívidas trabalhistas e o déficit no Portus, previdência complementar dos funcionários da empresa.

‚ÄúAs a√ß√Ķes trabalhistas, que n√£o s√£o poucas. N√≥s estamos falando de um hist√≥rico de falta de controle e zelo com o adicional de tempo de servi√ßo, de risco‚ÄĚ, exemplificou sobre o tipo de d√≠vida da autoridade portu√°ria. Ele estimou em cerca de R$ 1,5 bilh√£o o volume total das d√≠vidas.

Além disso, de acordo com Carvalho, a companhia se prepara para reduzir consideravelmente o quadro de funcionários. Um programa de demissão voluntária pretende atrair 500 dos atuais 1,3 mil empregados da Docas.