COLUNASMAIS SAÚDE

A importante relação entre bem-estar e natureza

Por Paulo Ângelo Lorandi

Alguns estudos bem conduzidos têm chegado a conclusão sobre a importância de estar de bem com a natureza. Um estudo japonês mostrou que o simples caminhar diário em bosques nipônicos trouxe melhoria em parâmetros bioquímicos indicativos do estado inflamatório, o que se configurou como fator de proteção contra danos cardiovasculares.
Outros trabalhos mostram que determinadas áreas do cérebro, que estão associadas à empatia e à motivação altruísta estão mais ativas quando expostas à visão de ambientes abertos naturais. Viver em ambiente aberto e ligado à natureza estimula a conexão entre as pessoas, gerando bem-estar e solidariedade. Outro estudo demonstrou que o simples fato de olhar para figuras da natureza reduziu os parâmetros bioquímicos relacionados ao estresse e, subjetivamente, os pesquisados relataram sentir-se mais confortável.

Do outro lado, viver em áreas urbanas tende a deixar as pessoas mais tristes e deprimidas. Um estudo conduzido em áreas urbanas de Nova York, Berlim e Mumbai conduziram pessoas a vários pontos das cidades e constatou que ao passaram por prédios com fachadas não expressivas, os pesquisados sentiam-se entediadas e menos felizes do que quando passavam por prédios abertos, claros e com muitas portas. A mesma pesquisa concluiu que lugares barulhentos deixam as pessoas mais tristes e estressadas.

Esse assunto é tão forte que já há associações que congregam arquitetos, profissionais de design e da saúde para discutir, informar, motivar e capacitar formuladores de políticas, para construir uma melhor saúde mental em suas cidades através de um desenho urbano mais inteligente. Ambientes urbanos saudáveis preveem espaços verdes que possibilitem a atividade física e a interação entre as pessoas. Em ambientes agressivos, as pessoas precisam controlar suas emoções. Como alternativa para esse controle é possível praticar yoga ou meditação, que trazem definitivamente a diminuição de fatores pró-inflamatórios.

Essa afinidade dos seres humanos ao ambiente natural assume o nome de biofilia. Essa característica não assume a mesma proporção em todas as pessoas. Enquanto uns são muito dependentes de ambientes “verdes” outros são menos afetados pelo “cinza” urbano. Mas é possível a generalização da importância de um ambiente natural. Estudo espanhol mostra que as crianças que vivem em locais arborizados a amigáveis têm melhores resultados escolares de aprendizado. O estudo constatou melhor desenvolvimento da massa cefálica nas crianças que vivem em lugares “verdes”. Então vale o esforço em preservar os nossos ambientes, sejam eles o doméstico, o urbano ou o natural.


Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farmácia da Unisantos, está disponível para solucionar suas dúvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br
Prof. Dr Paulo Angelo Lorandi, farmacêutico pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas-USP (1981), especialista em Homeopatia pelo IHFL (1983) e em Saúde Coletiva pela Unisantos (1997), mestre (1997) e doutor (2002) em Educação (Currículo) pela PUCSP. Professor titular da UniSantos. Sócio proprietário da Farmácia Homeopática Dracena.


Para conferir outros textos da Coluna Mais Saúde, do Prof. Dr. Paulo Ângelo Lorandi, clique aqui.

saiba antes via instagram @revistamaissantos