PUBLICIDADE

Diego Brigido

Turismo em grave risco: como empresas devem agir

Por Diego Brigido | Foto: reprodução

O setor do turismo, que contribuiu com US$ 152 bilhões para o PIB em 2018, segundo a World Travel and Tourism Council (WTTC), entidade mundial de viagens e turismo, está amargurando o que talvez seja a pior crise da história.

O segmento é um dos mais atingidos pelos efeitos devastadores da Covid-19, em especial, as pequenas empresas. Ao todo, o turismo gerou 6,9 milhões de empregos em 2018.

O levantamento da WTTC aponta que 99% dessa cadeia é composta por pequenas empresas, cerca de 1,9 milhões de empreendimentos, como agências de turismo, hotéis e pousadas, transporte, atrativos, eventos e até bares e restaurantes.

O que fazer durante em tempos de pandemia?

O Sebrae orienta que os empresários planejem como será a administração do negócio durante a paralisação; além de estruturar canais de atendimento com o cliente visando a negociação das reservas que possam ser utilizadas futuramente e dar respostas e soluções rápidas a clientes e fornecedores.

“É essencial que a política de cancelamento seja flexibilizada ao máximo para que essa reserva seja remarcada, evitando o cancelamento e o reembolso. Em um momento como esse, reservas futuras podem garantir o fluxo de caixa mínimo”, explica Germana Magalhães, coordenadora de Turismo da entidade.

Depois que todas as medidas emergenciais e de adaptações estiverem em curso, é importante o empresário começar a planejar iniciativas para a retomada da normalidade, explica a coordenadora do Sebrae.

Iniciativas no período de quarentena

Primeiramente, é fundamental transferir o que for possível das atividades com a equipe, fornecedores e clientes por canais a distância/ virtuais e comunicar em todos os canais as medidas que a empresa está tomando relacionadas à política de cancelamento.

Também é fundamental analisar quais contratos podem ser negociados para, depois, conversar com os fornecedores. Isole ambientes que ficaram parados durante este período e acompanhe e planeje o fluxo de caixa.

Sobretudo, acompanhe as medidas econômicas do governo e bancos quanto ao apoio aos pequenos negócios e ao setor de turismo. Também converse com seus agentes financeiros sobre linhas de créditos e flexibilização de pagamentos de empréstimos.

Mantenha-se ou se insira na governança do destino onde está o negócio, esse é o momento de se unir e trocar boas praticas. Aproveite para se reorganizar para, quando essa fase passar, a empresa retornar mais fortalecida.

Pense, por exemplo, em uma campanha de marketing associada ao destino no qual está inserido e avalie novos canais de comercialização, mantendo ainda mais forte os pontos favoráveis da empresa.

Durante esse tempo, aproveite para criar conteúdos que demonstrem a experiência futura que o cliente terá, evidenciando a mensagem que no momento ele precisa ficar em casa, mas que em breve o seu serviço ou produto estará ainda melhor pra recebê-lo.