COLUNASMAIS SAÚDE 

De tempos em tempos, sempre surge uma nova moda em relação ao que é saudável. Moda, porque todos os canais de comunicação falam, mas nem sempre com fundamento científico. Artistas e pessoas em evidência ressaltam a importância de se ingerir determinados alimentos ou falam sobre o “perigo” de se comer outros. Com isso, uma multidão segue a moda e repercute como se sente melhor, ainda mais nesses tempos de relação virtual. Tudo isso acontece até que surjam novas ideias que irão substituir a atual “verdade”.

Parodiando os Titãs, sempre aparece a “melhor dieta de todos os tempos da última semana”. Uma em voga é a restrição ao glúten, que é um conjunto de proteínas presentes no trigo, na cevada e no centeio. O glúten também pode estar presente na aveia como elemento contaminante do seu processamento.

De fato, algumas pessoas não conseguem digeri-las adequadamente, produzindo fatores que geram resposta imunológica contra elas próprias. São os portadores da Doença Celíaca, uma patologia que expressa uma série sintomas de forma mais ou menos evidente. Esses sintomas dependem da idade, da quantidade de glúten ingerida e de fatores próprios a cada pessoa.

Os sintomas mais comuns são diarreia crônica, em geral acompanhada de distensão abdominal e perda de peso. Outros sintomas também podem estar presentes. E mais sintomas também podem surgir. Por isso, o diagnóstico médico é fundamental. Para saber se de fato você é sensível ao glúten são necessários exames laboratoriais específicos que analisam o nível de reposta imunológica gerada e o possível dano que tenha ocorrido no intestino.

Existem evidências de que algumas patologias autoimunes se associam à doença celíaca: diabetes melitus tipo 1, alguns tipos de hipotireoidismo ou lúpus. Pessoas com essas doenças devem investigar a possibilidade de serem portadores da doença celíaca. Estudos no Brasil e no exterior estimam a prevalência da doença, entre a população em geral, em números entre 1% e 4%. São muitas pessoas, mas não se justifica que todas as pessoas passem a assumir uma dieta isenta de glúten. O glúten em si não faz mal, somente àquelas pessoas que são sensíveis. Consulte um médico em caso de dúvida.

O Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farmácia da UniSantos, está disponível para solucionar suas dúvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br.

1descricao-paulo-lorandi-colunista-revista-mais-santos

saiba antes via instagram @revistamaissantos