BrasilEconomia e Negócios 

No mundo dos negócios, capital de giro é a engrenagem fundamental para o desempenho satisfatório de uma empresa. Trata-se da reserva de recursos financeiros usada para suprir as demandas, como o pagamento de funcionários e fornecedores, bem como o investimento em novas tecnologias, por exemplo. Mas como aumentar a quantidade de dinheiro no caixa?

A antecipação de recebíveis – como boletos ou cheques – de vendas à prazo é uma das principais estratégias. O procedimento pode ser feito através do factoring, também chamado de fomento mercantil. Nesse caso, quando um empreendimento não possui os recursos de que necessita, recorre a uma empresa de fomento para que compra os direitos creditórios, adiantando o capital que só seria recebido no futuro.

Hoje, cerca de 70.000 pequenas e médias empresas fazem uso do factoring. De acordo com a Associação Nacional das Sociedades de Fomento Comercial (Anfac), os montantes financeiros envolvidos nas transações superam os R$150 bilhões anuais. A agilidade na condução dos processos, a falta de burocracia e a legalidade do processo são alguns dos diferenciais que tornam o fomento mercantil a opção mais vantajosa, principalmente se comparada a bancos.

“As empresas de factoring estão mais próximas do empresário, então entendem a realidade do negócio. Como consequência elas são mais aptas a conduzir um processo ágil e legal” explicou o Valdir Piran Jr., Vice-Presidente da Piran Fomento. De acordo com o empresário, outra grande vantagem das factorings é o fato de serem mais ágeis que os bancos na hora de avaliar os perfis das compras de crédito solicitadas.

Como funciona

Em um contrato de fomento mercantil, a empresa vende os direitos creditórios e recebe o valor à vista, mediante a aplicação de um fator de desconto. A modalidade é considerada diferenciada porque garante a antecipação de recebíveis de forma rápida e prática.

O contrato é atípico e gera dúvidas, visto que é considerado uma transação mercantil facilitada, não uma operação financeira. É importante diferenciar as duas modalidades, porque no factoring o cliente não fica endividado no longo prazo e a negociação é encerrada no ato. Dessa forma, a formalização garante o bom andamento da negociação, pois especifica os direitos e deveres de ambas as partes.

Ao optar por contratar uma empresa de fomento mercantil, é preciso tomar algumas medidas. Isso ocorre porque, mesmo não sendo instituições bancárias, as factorings precisam assegurar que as compras de crédito efetuadas serão vantajosas para ambas as partes. Desse modo, é importante a apresentação de documentos fiscais que atestem a venda do produto ou serviço. Um breve histórico empresarial também é de grande valia para firmar o contrato e dar início a transação.

Vantagens

“A relação direta entre a empresa e o cliente, a menor burocracia nas operações e o baixo custo dos fatores de desconto se comparados aos valores de um cartão de crédito ou cheque especial, por exemplo, são algumas das vantagens em se optar pelo fomento mercantil”, relatou Piran Jr. E acrescentou: “O contrato garante também um acompanhamento comercial, assessoria técnica e proteção contra a falta de pagamentos pelos devedores. Então, diante de todos esses benefícios, o factoring é a opção mais viável para a concessão de crédito”.

À medida que cresce o número de novas empresas, o fomento mercantil ganha mais espaço e se torna uma opção mais atraente em comparação à bancos. Transação em expansão no Brasil, o factoring já é considerado o meio de investimento mais promissor e seguro para instituições que desejam conquistar espaço no mercado.

saiba antes via instagram @revistamaissantos