Economia e Negócios 

Com o fim de ano vem as expectativas para o 13º salário. Porém é comum que as pessoas tenham dúvidas sobre a melhor maneira de aplicá-lo.

Para ajudar nesse sentido, o Coach e Consultor Financeiro Claudio Munhoz, que atende pelo GetNinjas, maior aplicativo de contratação de serviços da América Latina, separou cinco sugestões de uso para o 13º. Confira abaixo:

Para quitar dívidas:

Antes de escolher entre quitar dívida atuais e as que virão, é necessário se atentar às taxas de juros das dívidas. Segundo Claudio, é preferível quitar aquelas que têm as maiores taxas. Apesar do receio da vinda do IPTU, IPVA e dos demais gastos do começo do ano, o profissional pontua que são despesas programadas, ou seja, ainda não são dívidas. Para que não se tornem, é preciso ter organização e planejamento financeiro.

Como investimento:

O 13º pode ser usado também como pontapé inicial para um investimento. Porém, antes de qualquer atitude, Claudio recomenda que o investidor iniciante conheça seu perfil, se é conservador, moderado ou arrojado e, a partir disso, monte uma carteira de investimentos. Ao fazer isso, a pessoa garante aplicações condizentes com suas expectativas e estilo de vida. Os mais conservadores podem investir em Renda Fixa, como Tesouro Direto ou CDBs. Já aqueles com um perfil mais moderado podem apostar em Fundos de Investimentos. Por fim, os mais arrojados podem arriscar em ações na bolsa de valores.

Como reserva de emergência:

O desemprego fez com que muitos brasileiros pensassem na importância de uma reserva. Para aqueles querem fazer o “pé de meia”, o 13º pagamento pode ser usado para inaugurar o montante. Mas além da reserva da quantia, Claudio faz outras recomendações. Segundo o profissional, é interessante aplicá-la no Tesouro Direto. Tais aplicações são recomendadas por conta do prazo de resgate curto, ideal para situações de urgência.

Para empreendimentos:

A quantia pode ser utilizada também para começar a empreender um negócio de pequeno porte. Além do investimento financeiro inicial, Claudio recomenda que os empreendedores façam um detalhado plano de negócios e um plano financeiro (“valuation”) para evitar obstáculos futuros e não comprometer o sucesso do próprio negócio.

Para o lazer:

Após um ano inteiro de trabalho e estudos, é tentador usar o 13º pagamento para viajar ou para comprar presentes para entes queridos. Porém, o receio de ter dívidas faz com que muita gente cancele as atividades de lazer. Para que isso não aconteça, Claudio recomenda um planejamento antecipado e que as compras sejam feitas à vista. Por fim, o profissional aconselha que as pessoas juntem dinheiro para depois ir às compras e não utilizem apenas o dinheiro do 13º para esta finalidade.

saiba antes via instagram @revistamaissantos