PUBLICIDADE

Brasil / Economia

Trabalhadores aut么nomos foram mais prejudicados por pandemia em 2020

Da Ag锚ncia Brasil

A crise econ么mica gerada pela pandemia do novo coronav铆rus (covid-19) prejudicou mais os trabalhadores por contra pr贸pria, revela pesquisa divulgada hoje (8) pelo Instituto de Pesquisa Econ么mica Aplicada (Ipea). Segundo o levantamento, essa categoria teve a maior queda no rendimento em 2020.

O pior momento para os trabalhadores aut么nomos ocorreu no segundo trimestre de 2020, quando a categoria recebeu 24% a menos do que a renda habitual. No quarto trimestre do ano passado, o indicador recuperou-se levemente, mas continuou abaixo dos n铆veis anteriores 脿 pandemia, com recuo de 10%.

Os trabalhadores privados e sem carteira receberam 13% a menos do que a renda habitual no segundo trimestre e 4% a menos no 煤ltimo trimestre do ano passado. Os trabalhadores privados com carteira assinada n茫o tiveram perda no segundo e no terceiro trimestres de 2020 e encerraram o 煤ltimo trimestre do ano passado ganhando 5% acima da renda habitual.

No servi莽o p煤blico, os trabalhadores receberam 1% a mais que a renda habitual no segundo trimestre, 3% no terceiro trimestre e 5% a mais no 煤ltimo trimestre do ano passado.

Realizada com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domic铆lios Cont铆nua (Pnad Cont铆nua), a pesquisa comparou a renda m茅dia efetiva com a renda m茅dia habitual. Enquanto a renda m茅dia efetiva caiu por causa do aumento do desemprego e da contrata莽茫o com sal谩rios mais baixos, a renda m茅dia habitual subiu porque a perda de ocupa莽玫es se concentrou nas 谩reas mais mal remuneradas.

Segundo o Ipea, a eleva莽茫o da renda habitual para os trabalhadores privados com carteira assinada e o servi莽o p煤blico deve-se ao fato de que a elimina莽茫o de postos de trabalho atingiu principalmente os setores de constru莽茫o, com茅rcio e alojamento e alimenta莽茫o, al茅m de empregados sem carteira assinada e principalmente trabalhadores por conta pr贸pria.

Dessa forma, quem permaneceu empregado foram os trabalhadores de renda relativamente mais alta, que puxam o rendimento m茅dio habitual para cima.

Renda efetiva

Ao analisar apenas a renda efetiva dos tr锚s 煤ltimos meses do ano passado, sem levar em conta a compara莽茫o com a renda habitual, a pesquisa mostra que a queda tamb茅m foi maior entre os trabalhadores por conta pr贸pria. Essa categoria encerrou 2020 ganhando 6,7% a menos que no mesmo per铆odo de 2019.

O recuo chegou a 1,4% entre os trabalhadores privados com carteira e 0,2% no setor p煤blico. Apenas os trabalhadores com carteira assinada recebiam, em m茅dia, 1,4% a mais no 煤ltimo trimestre de 2020 em rela莽茫o aos mesmos meses de 2019, refletindo a recupera莽茫o do emprego formal no fim do ano passado.

Para Sandro Sacchet, t茅cnico de planejamento e pesquisa do Ipea e autor do estudo, o fato de ter havido queda nos rendimentos efetivos em alguns grupos de trabalhadores no quarto trimestre indica potenciais efeitos do in铆cio da segunda onda da pandemia da covid-19. Segundo ele, os impactos poder茫o ser compreendidos quando forem divulgados os dados no primeiro trimestre de 2021.

Faixas

Na compara莽茫o por faixa de renda, a pesquisa mostra que a pandemia afetou proporcionalmente os mais pobres. Entre o primeiro e o segundo trimestres de 2020, o total de domic铆lios sem renda do trabalho aumentou de 25% para 31,5%. No quarto trimestre, a propor莽茫o chegou a 29%, mostrando uma recupera莽茫o lenta do n铆vel de ocupa莽茫o.

Em rela莽茫o 脿 quantidade de horas habitualmente trabalhadas, o levantamento mostra que a pandemia n茫o afetou significativamente o indicador. No segundo trimestre, o total de horas trabalhadas caiu para 30,7 horas semanais, recuperando-se para 36,2 horas semanais no terceiro trimestre e encerrando o quarto trimestre em 37,4 horas semanais, com queda de apenas 5% em rela莽茫o ao 煤ltimo trimestre de 2019.

Foto: Ag锚ncia Brasil/Arquivo