PUBLICIDADE

2.0 - REGIÃO

Professor da Baixada Santista estuda lama de rios após desastre de Mariana

Quase quatro anos depois do desastre ambiental de Mariana, os rejeitos de mineração despejados após o rompimento da barragem da Samarco ainda aparecem nos rios da região. O professor do curso de Engenharia Civil da Unaerp Guarujá que realiza pesquisas sobre o assunto, Willy Ank de Moraes, esteve novamente na cidade de Mariana (MG) para coletar amostras de sedimentos.

A amostragem foi feita em 23 de julho, no rio Gualaxo do Norte, no distrito de Paracatu, um dos mais atingidos pelo acidente, a uma dist√Ęncia de 37 quil√īmetros do local do rompimento. Segundo o docente, p√īde-se perceber algumas mudan√ßas no material em rela√ß√£o a coletas anteriores. ‚ÄúVisualmente os sedimentos est√£o com uma granulometria mais grossa. Isso dever√° ser confirmado a partir das an√°lises laboratoriais. Entretanto, ainda √© grande a quantidade de material fino e de √≥xidos de ferro oriundos do rejeito, cujas caracter√≠sticas ser√£o avaliadas nas demais an√°lises‚ÄĚ.

Nos laborat√≥rios do Centro Tecnol√≥gico da Unaerp Guaruj√°, ser√£o realizadas an√°lises f√≠sicas de granulometria, morfologia (tamanho e forma dos gr√£os) desses sedimentos, e composi√ß√£o qu√≠mica, para determinar a presen√ßa de compostos prejudiciais √† sa√ļde e teor magn√©tico. As pesquisas, realizadas com participa√ß√£o de estudantes e outros docentes da Universidade, visam a partir desse diagn√≥stico, indicar melhores possibilidades de uso deste material, inclusive no desenvolvimento de novos produtos para a constru√ß√£o civil. Resultados preliminares desses estudos podem ser consultados nos anais do Simp√≥sio internacional de Ci√™ncias Integradas (www.unaerp.br/sici-unaerp) ou nas edi√ß√Ķes anteriores da Revista Cient√≠fica Integrada (www.unaerp.br/revista-cientifica-integrada/).

Desastre –¬†Considerado um dos maiores acidentes ambientais do Pa√≠s, o rompimento da Barragem do Fund√£o da mineradora Samarco, ocorrido em dia 5 de novembro de 2015, despejou 32,6 milh√Ķes de m¬≥ de rejeitos que foram carreados por cerca de 680 quil√īmetros de rios e lagos, afetando 39 munic√≠pios de Minas Gerais e Esp√≠rito Santo, antes de chegar ao Oceano Atl√Ęntico.