PUBLICIDADE

Regi√£o / Sa√ļde

Brasileira desenvolve novo tratamento para c√Ęncer de ov√°rio

Por Camila Boehm

Um grupo de pesquisadores do Brasil, Reino Unido e It√°lia, coordenado por um professor brasileiro, desenvolveu um composto com a√ß√£o potente e seletiva contra o c√Ęncer de ov√°rio. O estudo realizado com o novo composto √† base de pal√°dio – metal raro de alto valor comercial – demonstrou sua efic√°cia contra c√©lulas de tumor de ov√°rio sem afetar o tecido saud√°vel. Al√©m disso, testes em c√©lulas tumorais indicaram que o composto age contra tumores resistentes ao tratamento mais utilizado atualmente no combate ao c√Ęncer de ov√°rio, que √© feito com um f√°rmaco chamado cisplatina.

O trabalho foi conduzido durante a pesquisa de doutorado da professora Carolina Gon√ßalves Oliveira, atualmente no Instituto de Qu√≠mica da Universidade Federal de Uberl√Ęndia (UFU), que teve apoio da Funda√ß√£o de Amparo √† Pesquisa do Estado de S√£o Paulo (Fapesp).

A cisplatina é um quimioterápico eficiente para tumores no ovário, mas o tratamento pode causar efeitos colaterais severos aos pacientes, afetando rins, sistema nervoso e audição. Segundo o pesquisador do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP) Victor Marcelo Deflon, que coordenou o estudo, isso acontece porque a molécula não é muito seletiva, ou seja, afeta também células saudáveis.

‚Äú[O novo composto] tem alta seletividade para c√©lulas de c√Ęncer, isso traz uma expectativa de menos efeitos colaterais. E ele √© ativo em c√©lulas de c√Ęncer resistentes √† cisplatina, isso √© √≥timo porque √© uma alternativa para tratar c√Ęncer nesses casos que s√£o resistentes √† cisplatina‚ÄĚ, disse Deflon. ‚ÄúAlgumas c√©lulas de c√Ęncer aprendem a se defender da cisplatina, ent√£o ficam resistentes‚ÄĚ, complementou.

Os pesquisadores identificaram o mecanismo de a√ß√£o do novo composto e conclu√≠ram que h√° diferen√ßas em rela√ß√£o √† cisplatina. ‚ÄúO fato de ele [novo composto] atuar em c√©lulas resistentes √† cisplatina mostra que o mecanismo de a√ß√£o dele √© diferente, ent√£o a gente foi estudar qual era o mecanismo e acabou encontrando que o potencial alvo dele √© uma enzima, n√£o o DNA‚ÄĚ, disse.

Testes clínicos

O composto √† base de pal√°dio teve a√ß√£o na topoisomerase, uma enzima presente em tumores e que participa do processo de replica√ß√£o do DNA, sendo um alvo potencial para quimioter√°picos. ‚ÄúEssa enzima tem altas concentra√ß√Ķes em c√©lulas de c√Ęncer porque s√£o c√©lulas que se reproduzem muito r√°pido e ela est√° relacionada com metabolismo celular para replica√ß√£o das c√©lulas‚ÄĚ, disse.

Já a cisplatina age diretamente no DNA, causando mudanças estruturais nele, impedindo a célula tumoral de copiá-lo. Deflon explicou que são alvos diferentes, mas tanto a cisplatina como o composto de paládio inibem o processo de divisão celular do tumor.

A partir dessa descoberta, os pesquisadores devem buscar o desenvolvimento de vers√Ķes ainda mais eficientes do composto para obter uma mol√©cula que possa ser testada em animais com boas chances de sucesso. Depois de testes bem-sucedidos em animais, a mol√©cula pode ser levada para testes cl√≠nicos.

‚Äú√Č uma tentativa de desenvolver um f√°rmaco que tenha menos efeitos colaterais que a cisplatina e, nesse caso, ele √© mais seletivo tanto para c√©lula que √© sens√≠vel √† cisplatina quanto para c√©lula que √© resistente √† subst√Ęncia‚ÄĚ, acrescentou.

(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)