PUBLICIDADE

Santos / Meio Ambiente

Equipes fazem poda de √°rvores no jardim da orla de Santos

Da Redação

A Prefeitura de Santos iniciou, nesta ter√ßa-feira (3), opera√ß√Ķes de manejo e poda das √°rvores do jardim da orla, no trecho entre o Parque Roberto M√°rio Santini (Emiss√°rio) e o canal 3, sob supervis√£o da Seserp (Secretaria de Servi√ßos P√ļblicos). A previs√£o √© que o servi√ßo seja conclu√≠do no final da pr√≥xima semana.

As opera√ß√Ķes de manejo arb√≥reo e poda contam tamb√©m com equipe voltada √† tritura√ß√£o de galhos e outra para recolhimento de tocos. De acordo com o engenheiro agr√īnomo Ernesto Tabushi, da Seserp, encarregado da supervis√£o geral, o objetivo principal do manejo √© a chamada poda de limpeza.

“Al√©m de garantir o equil√≠brio das copas das √°rvores, o trabalho visa √† remo√ß√£o de galhos podres, enfermos e atacados por esp√©cies parasitas”, explicou, acrescentando que o servi√ßo √© realizado no per√≠odo de queda das folhas, mas prop√≠cio para essas a√ß√Ķes. Na orla, prosseguiu o engenheiro agr√īnomo, predominam os chap√©us-de-sol (Terminalia catappa) e palmeiras de diversas origens.

Por dia, s√£o triturados cerca de 20m¬≥ de galhos, material aproveitado como agregado org√Ęnico nos pr√≥prios canteiros do jardim da praia.

Combate a parasita

As opera√ß√Ķes envolvem inclusive a poda de limpeza para a elimina√ß√£o da erva-de-passarinho, hemiparasita de dif√≠cil elimina√ß√£o, com ra√≠zes capazes de penetrar no interior do caule e sugar a seiva da √°rvore, chegando a mat√°-las, conforme explicou o engenheiro agr√īnomo Erico Gomes, que coordena os trabalhos. Hemiparasita √© um parasita que n√£o √© completamente dependente do seu hospedeiro, podendo at√© viver sem ele.

Planta do gênero Phoradendron, a erva-de-passarinho é transmitida por meio das fezes dos passarinhos, que consomem as sementes dos galhos e, por meio de sua digestão, acabam incentivando a germinação.

“A melhor sa√≠da para combater os efeitos negativos desta esp√©cie √© a poda, que deve ser feita durante o inverno, √©poca ideal e que precede o desenvolvimento das sementes do parasita”, prosseguiu o engenheiro.

No inverno, explicou, as folhas secam e caem, permitindo que a erva-de-passarinho seja facilmente identificada. Ele frisou, ainda, que a poda de limpeza √© fundamental pelo fato de a hemiparasita, alheia ao frio e aos dias mais curtos, continuar com suas fun√ß√Ķes fisiol√≥gicas, roubando a pouca seiva que a √°rvore produz em estado de dorm√™ncia no inverno.

Foto: Divulgação Prefeitura Municipal de Santos