PUBLICIDADE

Santos / Sa√ļde

Entenda as pesquisas que foram premiadas com o Nobel de Medicina 2018

Por Paulo Angelo Lorandi

O organismo vivo trabalha com mecanismos de modula√ß√£o, ou seja, mant√©m ativos for√ßas contr√°rias para evitar uma excessiva atividade em um √ļnico sentido. Por exemplo, do mesmo modo que ele √© capaz de causar inflama√ß√£o, como mecanismo de defesa, tamb√©m mant√©m capacidade anti-inflamat√≥ria e desse modo impede o aparecimento de um estado excessivamente inflamat√≥rio, o que seria improdutivo para a vida. Essa oposi√ß√£o de a√ß√Ķes poder√° ser encontrada em diversos sistemas org√Ęnicos, como o da resposta imunol√≥gica.

Os dois cientistas ganhadores do prêmio Nobel de Medicina 2018 desenvolveram pesquisas nesse sentido. Eles pesquisaram, ainda nos anos 1990, como poderiam aumentar a resposta imunológica do organismo contra as células cancerígenas, diminuindo a capacidade de modulação desse sistema. Antes de explicar melhor essa ação, é preciso saber como as células cancerígenas criam resposta imunológica.

O sistema imunol√≥gico, composto por linf√≥citos, est√° habilitado a encontrar e destruir subst√Ęncias estranhas ao nosso corpo. Os linf√≥citos s√£o triados em sua origem para n√£o atacar as c√©lulas do pr√≥prio organismo. Um tumor maligno √© formado por uma c√©lula que se modifica e passa a ser estranha, gerando uma resposta imunol√≥gica. Essa resposta nem sempre √© suficiente para debelar sozinha o desenvolvimento tumoral. A multiplica√ß√£o das c√©lulas cancer√≠gena tende a ser bem mais r√°pida do que a capacidade do sistema imunol√≥gico em destru√≠-las. Da√≠ a ideia dos cientistas, diminuir essa modula√ß√£o.

Ao inibir a modula√ß√£o, o sistema imunol√≥gico torna-se mais capaz de destruir o c√Ęncer porque passa a funcionar mais rapidamente, vencendo a velocidade do crescimento tumoral. Cada cientista trabalhou com um mecanismo diferente, mas que permitiu que se criassem medicamentos, mais de cinco atualmente, que inibiam a modula√ß√£o. Esses medicamentos trazem menos rea√ß√Ķes adversas do que a quimioterapia.

Apesar da perspectiva ser boa, ainda √© preciso estudar os diferentes tipos de tumores. Essa doen√ßa que genericamente de c√Ęncer, na realidade, √© uma varia√ß√£o de mais de 200 doen√ßas diferentes que se comportam cada uma ao seu jeito, T√™m em comum o fato de serem derivadas de uma multiplica√ß√£o sem controle e sem significado fisiol√≥gico de c√©lulas do corpo. Podem ser causadas por altera√ß√Ķes do seu DNA, a partir de v√≠rus, radia√ß√£o, radicais livres e outras tantas subst√Ęncias. O c√Ęncer √© progressivo e leva √† morte.

Centro de Informa√ß√Ķes sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farm√°cia da Unisantos, est√° dispon√≠vel para solucionar suas d√ļvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br
Prof. Dr Paulo Angelo Lorandi, farmac√™utico pela Faculdade de Ci√™ncias Farmac√™uticas-USP (1981), especialista em Homeopatia pelo IHFL (1983) e em Sa√ļde Coletiva pela Unisantos (1997), mestre (1997) e doutor (2002) em Educa√ß√£o (Curr√≠culo) pela PUCSP. Professor titular da UniSantos. S√≥cio propriet√°rio da Farm√°cia Homeop√°tica Dracena.


Para conferir mais posts da Coluna Mais Sa√ļde, clique aqui.

Foto: Reuters