PUBLICIDADE

Santos / Polícia

SSP oferece R$ 50 mil por informação sobre assassino do soldado Cosmo

Kaique da Silva Coutinho, conhecido como ‚ÄúChip‚ÄĚ, √© apontado como autor dos disparos¬†

 

Foto: Reprodução

Da redação

A Secretaria da Seguran√ßa P√ļblica de S√£o Paulo ir√° pagar R$ 50 mil por informa√ß√Ķes que ajudem a localizar Kaique Coutinho do Nascimento, de 21 anos. Conhecido como ‚ÄúChip‚ÄĚ, ele √© apontado como assassino do soldado Cosmo, morto na √ļltima sexta-feira (2), durante a Opera√ß√£o Ver√£o.

O an√ļncio oficial da recompensa foi feito na tarde desta quinta-feira (8), durante entrevista coletiva no gabinete da pasta, montado em Santos, em que foi revelada a identidade do autor.

A resolução que estabelece a recompensa de R$ 50 mil foi assinada pelo secretário Derrite.

O soldado morreu ap√≥s ser baleado no rosto enquanto averiguava uma den√ļncia de tr√°fico de drogas no Jardim S√£o Manuel, em Santos. A c√Ęmera corporal usada por ele durante a ocorr√™ncia gravou o exato momento em que foi surpreendido pelo autor do disparo. O homem sai de um im√≥vel, atira e foge logo em seguida.

Ap√≥s investiga√ß√Ķes, a pol√≠cia conseguiu identificar o homem que aparece nas imagens e j√° obteve mandado de pris√£o tempor√°ria concedido pela Justi√ßa. Qualquer informa√ß√£o √ļtil sobre o paradeiro do autor pode ser compartilhada por meio do Programa de Recompensa. Caso a informa√ß√£o tenha efetivamente ajudado a prender o homem, o denunciante recebe uma recompensa de R$ 50 mil.

Como fazer a den√ļncia?

Instituto pelo decreto 46.505, de 21 de janeiro de 2022, o programa existe para estimular a popula√ß√£o a contribuir com a pol√≠cia, compartilhando informa√ß√Ķes √ļteis que possam ajudar a localizar criminosos. Qualquer cidad√£o com detalhes sobre a identidade ou a localiza√ß√£o de algum procurado, pode fazer a den√ļncia de forma an√īnima, ou seja, todo o processo garante a preserva√ß√£o da identidade do denunciante.

Para fazer a den√ļncia, s√£o disponibilizados dois meios. O primeiro deles √© por telefone, pelo n√ļmero 181. O denunciante ser√° atendido por um telefonista e poder√° fornecer tudo o que sabe para que a den√ļncia seja registrada sem que a pessoa precise se identificar.

A outra forma √© pela p√°gina do WebDenuncia. Basta entrar na p√°gina do WebDenuncia, por meio do link¬†https://www.webdenuncia.org.br/cidadao/denuncie, clicar em denunciar e seguir o passo a passo. Ao final, o denunciante recebe um n√ļmero de protocolo para acompanhar o andamento da sua den√ļncia. As informa√ß√Ķes s√£o verificadas por uma equipe e, caso seja comprovado que elas ajudaram na resolu√ß√£o do caso, a pessoa que as forneceu √© comunicada.

Para receber a recompensa, a tela do WebDenuncia mostrar√° um n√ļmero de cart√£o banc√°rio virtual, que permitir√° saques do valor em qualquer caixa eletr√īnico do Banco do Brasil, sem que haja a necessidade de identifica√ß√£o. A retirada pode ser feita de uma vez ou aos poucos, como um cart√£o banc√°rio comum.

Operação Verão

Foto: Divulgação / Polícia Militar (PM)

A terceira fase da operação recebe o acréscimo de mais de 400 policiais que estão atuando na Baixada Santista para combater o crime organizado. A ação foi desencadeada após a morte do cabo José Silveira dos Santos, morto por criminosos na quarta-feira (8).

A Pol√≠cia Civil, por meio dos departamentos que est√£o instalados no litoral paulista, est√° fornecendo informa√ß√Ķes de intelig√™ncia para que as tropas em campo possam atuar seguindo as prioridades e a complexidade da regi√£o. Tropas especializadas de outras partes do Estado tamb√©m foram empenhadas no litoral.

Transferência de gabinete

Foto: Secret√°ria de Seguran√ßa P√ļblica (SSP)

Ap√≥s a morte do cabo da Pol√≠cia Militar (PM), Jos√© Silveira dos Santos, do 2‚Āį Batalh√£o de A√ß√Ķes Especiais de Pol√≠cia (BAEP), nesta quarta-feira (7), o secret√°rio de Seguran√ßa P√ļblica do Estado de S√£o Paulo, Guilherme Derrite, anunciou a transfer√™ncia tempor√°ria do gabinete dele para Santos.

O secret√°rio e os chefes das for√ßas de seguran√ßa, Coronel PM C√°ssio Ara√ļjo de Freitas, e o delegado-geral, Artur Dian, permanecer√£o na Baixada Santista acompanhando as a√ß√Ķes de combate √† criminalidade e as buscas pelos suspeitos de envolvimento nas mortes de dois policiais militares que atuavam na Opera√ß√£o Ver√£o.

Operação Escudo

Foto: Reprodução

A a√ß√£o policial foi retomada no dia 26 de janeiro, ap√≥s a morte do soldado da Pol√≠cia Militar (PM), Marcelo Augusto da Silva, de 28 anos. O agente era de S√£o Paulo, do 38¬ļ Batalh√£o de Pol√≠cia Militar Metropolitano, mas trabalhava em Praia Grande, na Opera√ß√£o Ver√£o. Ele foi morto quando voltava para casa. Segundo a Secretaria de Seguran√ßa P√ļblica (SSP), policiais militares rodovi√°rios foram acionados para atender a ocorr√™ncia e encontraram a v√≠tima ferida, ao lado de uma motocicleta. O resgate esteve no local e constatou o √≥bito.

No fim da tarde da √ļltima sexta-feira (2), o soldado da Pol√≠cia Militar (PM), Samuel Wesley Cosmo, foi morto na Avenida Brigadeiro Faria Lima, no bairro Bom Retiro, na Zona Noroeste.

Segundo a SSP, Cosmo foi atingido no olho, socorrido e levado à Santa Casa de Santos, onde passou por cirurgia, mas não resistiu. Após o ocorrido, a Operação Escudo teve reforço, para localizar e prender os envolvidos na morte dele.

Nesta quarta-feira (7), o cabo Jos√© Silveira dos Santos, foi baleado na lateral do abd√īmen e n√£o resistiu. O caso ocorreu em um pr√©dio, na Rua Jo√£o Carlos de Azevedo, no bairro Jardim S√£o Manoel. Ele e outro agente faziam patrulhamento, quando foram atingidos. Um criminoso tamb√©m foi baleado e outro pulou de um pr√©dio para escapar e morreu.

Foto: Reprodução

A primeira Operação Escudo aconteceu no ano passado, após a morte do Soldado da Rota, Patrick Bastos Reis. A ação policial durou 40 dias e teve o objetivo de sufocar o tráfico de drogas e combater o crime organizado. Ao todo, 805 pessoas foram presas, sendo 311 foragidas da Justiça.

Também foram apreendidas 96 armas, entre pistolas e fuzis, e 939,3 kg de drogas. 28 pessoas foram mortas.