PUBLICIDADE

Brasil / Cotidiano

Var√≠ola dos macacos: com 813 casos, Brasil tem situa√ß√£o “preocupante”

Da Agência Brasil

O Brasil tem 813 casos confirmados da var√≠ola dos macacos (monkeypox), segundo dados do Minist√©rio da Sa√ļde. Nesta ter√ßa-feira (26), a l√≠der t√©cnica da Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS) para a doen√ßa, Rosamund Lewis, disse que a situa√ß√£o no pa√≠s ‚Äú√© muito preocupante‚ÄĚ e que os casos podem estar subnotificados por n√£o haver testes suficientes √† disposi√ß√£o.

‚Äú√Č importante que as autoridades tamb√©m tomem conhecimento da emerg√™ncia de sa√ļde p√ļblica e de interesse internacional, das recomenda√ß√Ķes e tomem as medidas adequadas‚ÄĚ, declarou. Ela tamb√©m disse que o surto pode ser interrompido com ‚Äúestrat√©gias certas nos grupos certos‚ÄĚ. ‚ÄúMas o tempo est√° passando e todos precisamos nos unir para que isso aconte√ßa‚ÄĚ, acrescentou.

No s√°bado (23), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou que a var√≠ola dos macacos configura emerg√™ncia de sa√ļde p√ļblica de interesse internacional. ‚ÄúTemos um surto que se espalhou rapidamente pelo mundo, atrav√©s de novas formas de transmiss√£o, sobre as quais entendemos muito pouco, e que se encaixa nos crit√©rios do Regulamento Sanit√°rio Internacional‚ÄĚ, declarou.

O Minist√©rio da Sa√ļde destacou, por meio de nota, que a doen√ßa √© prioridade para a pasta, que faz constante monitoramento e analisa a todo momento a situa√ß√£o epidemiol√≥gica para definir orienta√ß√Ķes e a√ß√Ķes de vigil√Ęncia e resposta √† doen√ßa no pa√≠s. ‚ÄúTodas as medidas hoje anunciadas pela Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS) j√° s√£o realizadas pelo Brasil desde o in√≠cio de julho de forma a realizar uma vigil√Ęncia oportuna da doen√ßa‚ÄĚ, diz o texto.

O √≥rg√£o ressaltou tamb√©m que, antes mesmo da confirma√ß√£o de casos no Brasil, foi instalada ‚Äúuma sala de situa√ß√£o para elaborar um plano de a√ß√£o com o objetivo de estabelecer estados e munic√≠pios sobre a melhor forma de atender a popula√ß√£o‚ÄĚ. Ainda segundo o minist√©rio, ‚Äútestes para diagn√≥stico est√£o dispon√≠veis para toda a popula√ß√£o que se enquadre na defini√ß√£o de casos suspeitos para var√≠ola dos macacos‚ÄĚ.

No s√°bado (23), a pasta informou que articula com a OMS a aquisi√ß√£o da vacina contra a doen√ßa. Em nota, o Minist√©rio da Sa√ļde disse que as negocia√ß√Ķes est√£o sendo feitas de forma global com o fabricante para ampliar o acesso ao imunizante para os pa√≠ses com casos confirmados.

N√ļmeros

No Brasil, o maior n√ļmero de casos est√° em S√£o Paulo, com 595 infec√ß√Ķes confirmadas, sendo tr√™s na Baixada Santista (dois em Praia Grande e um em Itanha√©m). No Rio de Janeiro, s√£o 109 pessoas com a doen√ßa, em seguida est√£o: Minas Gerais (42), Distrito Federal (13), Paran√° (19), Goi√°s (16), Bahia (3), Cear√° (2), Rio Grande do Sul (3), Rio Grande do Norte (2), Esp√≠rito Santo (2), Pernambuco (3), Mato Grosso do Sul (1) e Santa Catarina (3).

O vírus

A varíola causada pelo vírus hMPXV (Human Monkeypox Virus, na sigla em inglês) provoca uma doença mais branda do que a varíola smallpox, que foi erradicada na década de 1980.

Trata-se de uma doen√ßa viral rara transmitida pelo contato pr√≥ximo com uma pessoa infectada e com les√Ķes de pele. O contato pode ser por abra√ßo, beijo, massagens ou rela√ß√Ķes sexuais. A doen√ßa tamb√©m √© transmitida por secre√ß√Ķes respirat√≥rias e pelo contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superf√≠cies utilizadas pelo doente.

N√£o h√° tratamento espec√≠fico, mas os quadros cl√≠nicos costumam ser leves, sendo necess√°rios o cuidado e a observa√ß√£o das les√Ķes. O maior risco de agravamento acontece, em geral, para pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, leucemia, linfoma, met√°stase, transplantados, pessoas com doen√ßas autoimunes, gestantes, lactantes e crian√ßas com menos de 8 anos de idade.

Sintomas

Os primeiros sintomas podem ser febre, dor de cabe√ßa, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansa√ßo. De um a tr√™s dias ap√≥s o in√≠cio dos sintomas, as pessoas desenvolvem les√Ķes de pele, geralmente na boca, p√©s, peito, rosto e ou regi√Ķes genitais.

Para a prevenção, deve-se evitar o contato próximo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, assim como com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado. Também é importante a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel.

Foto: Arquivo