PUBLICIDADE

Brasil / Cotidiano

Correios aguardam decisão da Justiça sobre greve de trabalhadores

Da Agência Brasil

Apesar de ter parte do contingente funcional paralisado desde o dia 17 de agosto, os Correios registraram, nas √ļltimas quatro semanas, mais de 187 milh√Ķes de cartas e encomendas entregues em todo o pa√≠s.

Ap√≥s sucessivas tentativas de negocia√ß√£o, os Correios anunciaram que aguardam decis√£o judicial sobre a greve para normalizar as atividades operacionais. Segundo nota divulgada pela empresa, as negocia√ß√Ķes estavam sendo feitas desde julho, e visavam preservar a sa√ļde financeira da estatal com cortes de privil√©gios e ‚Äúadequa√ß√£o √† realidade do pa√≠s‚ÄĚ. O julgamento da a√ß√£o de diss√≠dio coletivo est√° marcado para a pr√≥xima segunda-feira (21).

Em comunicado, os Correios afirmam que os termos exigidos pelos funcion√°rios para a retomada regular das atividades p√Ķem em risco a economia que vinha sendo aplicada. A empresa registra preju√≠zo acumulado de R$ 2,4 bilh√Ķes e esperava economizar cerca de R$ 800 milh√Ķes ao ano. Segundo a estatal, esse valor, em tr√™s anos, cobriria o d√©ficit financeiro atual.

‚Äú√Č evidente, portanto, que n√£o h√° margem para propostas incompat√≠veis com a situa√ß√£o econ√īmica atual da institui√ß√£o e do pa√≠s, o que exclui de qualquer negocia√ß√£o a possibilidade de conceder reajustes‚ÄĚ, registra a nota.

A empresa lamenta ainda o contexto da pandemia, e afirma que a explos√£o do e-commerce ‚Äď o com√©rcio eletr√īnico, que depende exclusivamente do servi√ßo de transporte e log√≠stica para a entrega de mercadorias, ‚Äď seria uma forma de ‚Äúalavancar o neg√≥cio em um dos poucos setores com capacidade para crescer neste per√≠odo.‚ÄĚ

Greve

Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect), parte dos trabalhadores decidiu cruzar os braços em protesto contra a proposta de privatização da estatal e pela manutenção de benefícios trabalhistas. Os funcionários pedem ainda reajustes salariais.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil