PUBLICIDADE

Brasil / Cotidiano

Idosa é resgatada após ficar mais de 72 anos vivendo em situação análoga à escravidão

Da Redação

Estamos no S√©culo 21, mas parece que o pensamento ainda √© ultrapassado de algumas pessoas no Brasil. Uma idosa foi resgatada no Rio de Janeiro ap√≥s viver mais de 72 anos em situa√ß√£o an√°loga √† escravid√£o. Segundo o Minist√©rio do Trabalho, este foi o registro mais longo da hist√≥ria, ap√≥s a Aboli√ß√£o da Escravatura da lei √Āurea, em 13 de maio de 1888.

Por motivos de segurança, a idosa não teve nem a identidade e muito menos a idade revelada para preservá-la. Neste momento ela está aos cuidados da Prefeitura do Rio desde 15 de março, quando foi resgatada. Ela não casou, não teve filhos e perdeu o contato com os familiares.

Segundo o órgão, a idosa passou a vida inteira trabalhando para a mesma família sem receber salários nem benefícios. Mas apesar de parecer impressionante, o órgão federal alerta que casos como o dela, 134 anos após a Abolição da Escravatura, não são raros.

Quando a mulher foi resgatada, ela trabalhava como¬†cuidadora da dona da casa¬†e¬†dormia em um sof√°, na entrada do quarto principal. Uma den√ļncia levou o Minist√©rio do Trabalho at√© a casa, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Histórico de pessoas em situação análoga à escravidão

Mesmo com a exist√™ncia de uma legisla√ß√£o que determina os direitos do trabalhador, no ano passado, o pa√≠s registrou o maior n√ļmero de pessoas resgatadas em condi√ß√£o an√°loga √† escravid√£o desde 2013.

De acordo com o Minist√©rio do Trabalho, foram 1.937 brasileiros retirados de situa√ß√Ķes degradantes. Mais do que nos sete anos anteriores. Em 2013, 2.808 trabalhadores viviam como pessoas escravizadas.

O √≥rg√£o informa que para este caso, quem faz a explora√ß√£o do trabalho escravo ter√° que pagar, primeiro, todos os direitos devidos √†quele trabalhador que foram sonegados. Essa submiss√£o do trabalho escravo acaba sendo um meio de enriquecimento il√≠cito. Al√©m disso, tamb√©m ter√° de pagar indeniza√ß√Ķes por dano moral, conforme explica o artigo. A pena pode ser de 2 a 8 anos de pris√£o.

Foto: Reprodução