PUBLICIDADE

Brasil / Cotidiano

Deputada Flordelis é a mandante da morte do marido

As investiga√ß√Ķes sobre a morte do¬†pastor Anderson do Carmo¬†conclu√≠ram que a¬†deputada federal Flordelis¬†(PSD-RJ) foi a mandante do assassinato, diz a Pol√≠cia Civil. Ela foi denunciada √† Justi√ßa pelo¬†crime. Nesta segunda-feira, equipes da Delegacia de Homic√≠dios de Niter√≥i, S√£o Gon√ßalo, Itabora√≠ e Maric√° (DHNSGI) e do Minist√©rio P√ļblico Estadual do Rio cumpriram nove mandados de pris√£o e 14 de busca e apreens√£o contra onze envolvidos no crime.

Foram alvos dos mandados de prisão preventiva: Marzy Teixeira da Silva, Simone dos Santos Rodrigues, André Luiz de Oliveira, Carlos Ubiraci Francisco da Silva, Flávio dos Santos Rodrigues, Adriano dos Santos Rodrigues, Rayane dos Santos Oliveira, Andrea Santos Maia e Marcos Siqueira Costa. Os seis primeiros são filhos de Flordelis, e a sétima, neta da parlamentar.

A Delegacia de Homic√≠dios de Niter√≥i, S√£o Gon√ßalo, Itabora√≠ e Maric√° informou que vai encaminhar √† C√Ęmara dos Deputados Federal c√≥pia do inqu√©rito com resultado da investiga√ß√£o ‚Äúpara ado√ß√£o de medidas administrativas cab√≠veis‚ÄĚ. ‚ÄúO procedimento poder√° levar ao afastamento da parlamentar para que ela responda pelo crime na pris√£o‚ÄĚ, indicou a Pol√≠cia.

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado dentro da própria casa no bairro Badu, em Niterói, no dia 16 de junho do ano passado.

Na ocasião, a esposa da vítima, a deputada federal Flordelis dos Santos de Souza, relatou em depoimento e à imprensa que o pastor teria sido morto durante um assalto. Ela informou ainda que eles tinham sido seguidos por suspeitos em uma moto quando retornavam para casa.

A den√ļncia do MP do Rio, contudo, aponta ‚ÄúFl√°vio dos Santos Rodrigues, em conluio com Lucas C√©zar dos Santos de Souza, Flordelis e os demais denunciados, atirou diversas vezes contra Anderson do Carmo de Souza, na madrugada do dia 16 de junho de 2019, em sua casa no bairro Badu, Pendotiba, Niter√≥i‚ÄĚ.

‚ÄúFlordelis¬†√© responsabilizada por arquitetar o homic√≠dio, arregimentar e convencer o executor direto e demais acusados a participarem do crime sob a simula√ß√£o de ter ocorrido um latroc√≠nio. A deputada tamb√©m financiou a compra da arma e avisou da chegada da v√≠tima no local em que foi executada, segundo a den√ļncia‚ÄĚ, afirmaram os promotores.

O motivo do crime ‚Äúseria o fato de a v√≠tima manter rigoroso controle das finan√ßas familiares e administrar os conflitos de forma r√≠gida, n√£o permitindo tratamento privilegiado das pessoas mais pr√≥ximas a¬†Flordelis, em detrimento de outros membros da numerosa fam√≠lia‚ÄĚ, diz o MP.

A pe√ßa enviada pelo MP fluminense √† Justi√ßa indica ainda que as a√ß√Ķes dos outros dez denunciados se deram em diferentes etapas ‚Äúcomo no planejamento, incentivo e convencimento para a execu√ß√£o do crime‚ÄĚ e ainda em tentativas de homic√≠dio anteriores √† morte do pastor, ‚Äúpela administra√ß√£o de veneno na comida e bebida da v√≠tima, ao menos seis vezes, sem sucesso‚ÄĚ.